segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Família excludente não representa os valores do PSDB

O Estatuto do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) reza, em seu artigo 2º que “O PSDB tem como base a democracia interna e a disciplina e, como objetivos programáticos, (...) o respeito ao pluralismo de ideias, culturas e etnias; às diferentes orientações sexuais e identidades de gênero (...)” e, em seu artigo 15º, os deveres dos filiados ao partido, incluindo que “Os filiados detentores de mandato eletivo ou investidos em cargos de confiança na administração pública, direta ou indireta, deverão exercê-los com probidade, fidelidade aos princípios programáticos (...)”.

Dessa forma, o Diversidade Tucana considera que o voto da deputada federal Geovania de Sá (SC) a favor da redação excludente e inconstitucional do Estatuto da Família não representa os valores expressos no Estatuto e pela história do PSDB.

Ao reduzir o conceito de família às formadas por “homem, mulher e filhos”, além de excluir as famílias LGBT, a atual redação do Estatuto da Família também exclui milhões de arranjos familiares que não obedecem aos preconceitos e concepções religiosas dos parlamentares membros da Comissão Especial que analisou o projeto, representando um retrocesso autoritário e inconstitucional.


No atual momento de crise ética, política e econômica, causadas pela gestão petista à frente do Governo Federal, o país se volta ao maior partido da oposição, o PSDB, com o anseio de ver em nossa atuação uma alternativa inclusiva e coerente com sua própria história.

Por isso, o Diversidade Tucana pedirá à Executiva Nacional e à Liderança do PSDB na Câmara dos Deputados os esclarecimentos que se fazem necessários e a análise das providências cabíveis em relação ao voto da deputada, bem como o apoio para uma campanha de conscientização das bancadas do partido no Congresso Nacional a respeito da história do PSDB na promoção da cidadania LGBT em nosso país.

Um comentário:

  1. Projeto arbitrário e inconstitucional e até imoral é aquele que deseja mudar o conceito de família tradicional via decreto do governo, o qual não tem moral e tampouco ética para tal!

    ResponderExcluir