quinta-feira, 2 de agosto de 2012

POR UMA ATUAÇÃO SUPRAPARTIDÁRIA EM PROL DA POPULAÇÃO LGBT


O Diversidade Tucana, Secretariado LGBT do PSDB, repudia as declarações feitas pelo Conselheiro Nacional LGBT e membro do setorial LGBT do PT, Julian Rodrigues, defendendo um boicote eleitoral contra o PSDB, por conta da atuação deputado federal João Campos (PSDB/GO), presidente da frente parlamentar evangélica. O argumento pífio, utiliza como mote a atuação de um único parlamentar como se representasse a orientação ideológica da agremiação como um todo.

Nada mais falso, visto que as maiores conquistas em políticas públicas de defesa para a diversidade sexual no Estado de São Paulo - e que servem de modelo para outros Estados - partiram de governos municipais e estaduais do PSDB: a criação da primeira Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual de uma prefeitura municipal, a criação da primeira Coordenação de Políticas para a População LGBT de um governo de Estado, a criação do primeiro ambulatório dirigido ao público de travestis e transexuais, a promulgação de uma das poucas leis que punem a discriminação homofóbica por uma Unidade da Federação, a promulgação de um dentre poucos decretos estaduais que asseguram direito de travestis e transexuais ao uso de seu nome social, a criação do maior edital de projetos de cultura da comunidade LGBT no Brasil, entre muitas outras conquistas.

O Diversidade Tucana, por sua vez, tem publicado e encaminhado a toda nossa bancada repúdio às iniciativas do deputado federal João Campos, como a PEC99 /2011 e a PDC 234/2011, como pode-se verificar nos links abaixo :



O Diversidade Tucana aproveita e questiona se essa postura de enfrentamento à homofobia é vista em outros Secretariados LGBT e - mais ainda - se o combate à homofobia é diretriz dos governos de outros partidos. Não parece ser o caso do Governo Federal, que vetou a distribuição de material sobre a diversidade sexual para as escolas brasileiras e a divulgação de campanha institucional sobre prevenção às doenças sexualmente transmissíveis para um dos segm entos mais vulneráveis à infecção, que é a população de gays. Esse mesmo Governo Federal mantém postura de total indiferença à aprovação de projetos de lei essenciais para a cidadania LGBT como o PLC-122, que criminaliza a homofobia e a PEC proposta pelo deputado Jean Wyllis (PSol/RJ), pelo casamento igualitário, que contou com o apoio do Diversidade Tucana, mas vem sendo atacada pelo próprio Julian Rodrigues.

Deputados evangélicos conservadores, infelizmente, existem em quase todos os partidos brasileiros, como se atesta na Frente Parlamentar Evangélica. Contando extra-oficialmente com 70 parlamentares, a Frente Parlamentar Evangélica conta com participação de membros do PT, PDT, PSDB, PTB, PSC, DEM, PMDB, PP, PV, PRB, PTC e PR, que em absoluta maioria fazem parte da base de apoio do Governo Federal. Aliás, omite-se que o PT contribui para essa bancada com dois de seus vice-presidentes: Benedita da Silva (PT/RJ) e o Senador Walter Pinheiro (PT/BA).

Perguntamos o que fazem nossos companheiros militantes LGBT ligados ao PT? Sabemos que alguns se mantêm fieis ao ideal de construção de uma sociedade sem homofobia, criticando o Governo Federal e tornando-se alheios ao próprio partido, chegando ao ponto de apoiar candidatos de outros partidos, como está acontecendo com os militantes petistas que apoiam Marcelo Freixo em vez de Eduardo Paes para a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Uma pena, que outros, como Julian Rodrigues, prefiram somente praticar proselitismo partidário e governista ao invés de buscar a união por uma frente suprapartidária de atuação em prol das demandas da população LGBT, como o Diversidade Tucana vem buscando atuar, sem recorrer à propostas de boicotes descabidos.

Um comentário:

  1. Aecio neves é pré-candidato a presidência pelo PSDB, qual será o posicionamento dele em relação aos dreitos LGBT. mais concretamente, o projeto de lei anti-homofobia, o kit anti homofobia nas escolas e o casamento civil igualitario?

    Acho que o diversidade tucana deveria conversar com ele sobre isso. Já que muitos LGBTS, asssim como eu, tem visto até então o PT (de forma geral) como aliado nosso, mas a dona Dilma como uma "traidora" da causa.

    Só paara deixar claro, se o Aecio se posicionar como o serra na ultima eleição presidencial que é contra qualquer forma de discrimnação mas não APIOAR claramente a defesa dos LGBTS não irá ganhar nenhum voto LGBT, nem o meu.

    ResponderExcluir