Marta continua se vangloriando do que não fez

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) concedeu entrevista ao pesquisador norte-americano Emanuel Yekutiel sobre os avanços e impasses legislativos enfrentados pelo movimento LGBT no mundo.

Durante sua entrevista, Marta Suplicy discorreu sobre como acredita que a discriminação por orientação sexual e/ou identidade de gênero irá se tornar ilegal no país com a aprovação do PLC 122/06, que criminaliza a homofobia.

Apenas esqueceu de esclarecer ao pesquisador que tentou, em 2011, numa manobra unilateral, sem ouvir o movimento LGBT, uma articulação com senadores e demais parlamentares da base evangélica que desfigurava o PLC 122/06, tornando-o, se aprovado fosse, ineficaz no combate à homofobia. Esqueceu de dizer que a manobra retrocedeu por pressão do movimento LGBT nacional para que não fosse, novamente usado como moeda de troca com fundamentalistas.

A senadora foi questionada, ainda, sobre como se deu seu envolvimento e “empenho” em garantir direitos a esse segmento, ao que respondeu que “foi sua atuação como psicóloga que abriu as portas para essas questões”, esquecendo-se, em sua modéstia, de pessoas como Celso Curi, processado pela Ditadura Militar, ou João Silvério Trevisan, ou Agnaldo Silva, ou muitos outros que iniciaram, no final da década de 70, o então Movimento Homossexual Brasileiro, muito antes da atuação da senadora como psicóloga. Também se esqueceu das travestis e transexuais que eram perseguidas pela polícia militar em plena ditadura e que, em 1980, junto com outros movimentos sociais, saíram às ruas do centro de São Paulo, lutando por respeito e cidadania.

Esqueceu, ainda, do então Governador André Franco Montoro, que iniciou o processo de humanização das Polícias Militar e Civil no Estado de São Paulo, coibindo ações repressoras à população LGBT em plena ditadura. Ou, talvez, todos tenham passado pelo divã da senadora-psicóloga.

Em sua entrevista, Marta Suplicy lembrou, ainda, que “pôde levar adiante alguns direitos como a pensão a companheiro(a) homossexual de servidores municipais, e avançar em debates junto a profissionais de educação (a partir do Programa de Educação Preventiva) e de saúde (capacitação para atendimento humanizado e resolutivo para funcionários/as das UBS) na rede municipal”.

O que a senadora-prefeita esqueceu foi que, em sua gestão à frente da Prefeitura de São Paulo, a Instrução Normativa do IPREM para pensão a companheiro(a) homossexual de servidores municipais deveu-se a uma decisão judicial e não à livre vontade executiva enquanto prefeita.

Esqueceu, também, que havia um projeto de lei do então vereador Carlos Giannazi, que criava a Coordenadoria da Diversidade Sexual, que nunca foi adiante, mesmo a então prefeita tendo criado, por decreto (e vontade própria) outras coordenadorias.

Esqueceu, ainda, que o Orçamento Participativo, através dos conselheiros LGBT, aprovou a criação de um Centro de Atenção à Diversidade Sexual, mais uma vez por decreto, em 2004, que nunca foi assinado em sua gestão à frente do Executivo Municipal, o que ocasionou uma manifestação do movimento LGBT paulistano, na porta da Prefeitura de São Paulo, em pleno Viaduto do Chá, quando ela, ao invés de atender, mandou a Guarda Civil Metropolitana baixar as grades da prefeitura e evitar que os manifestantes entrassem na sede da administração municipal.

Esqueceu, ainda, que tudo isso se deu não pelo esquecimento das políticas públicas, mas pelo acordo que tinha com a bancada evangélica da Câmara Municipal para aprovar os projetos de lei do interesse do Executivo, usando as políticas pró-LGBT como moedas de troca nas negociações legislativas. 

Mas o principal que a senadora esqueceu foi que, o discurso pode ser bom, mas as ações e práticas é que são efetivas no enfrentamento à Homofobia e na garantia da Cidadania LGBT, e nisso, a senadora-discurso pouco ou quase nada implementou durante toda sua trajetória política, até porque a primeira vez que a Prefeitura de São Paulo apoiou a Parada do Orgulho LGBT foi em 2000, com o então prefeito Celso Pitta.  

Diversidade Tucana na caminhada pela verdade!

Comentários

  1. Sim, ela omitiu vários nomes e fatos. Da mesma forma como as ações da senadora SEMPRE são omitidas ou ridicularizadas por seus adversários políticos.
    É uma pena, pois essa é uma batalha que deveria unir tucanos e petistas, o que há de melhor na política nacional, não tenho dúvida disso. Se PT e PSDB marchassem juntos, afastando de si seus corruptos (ambos têm), seus elementos mais reacionários (aqui o PSDB ganha fácil) e as práticas fisiológicas que (ambos de novo) mantêm com partidos coligados, acho que teríamos um debate muito mais arejado.
    Por fim, há uma crítica injusta no último parágrafo. Marta governou a cidade DEPOIS do Pitta, portanto se ele teve a iniciativa de promover a primeira parada, não cabe crítica a ela, que não apenas manteve a data no calendário, como sempre foi grande incentivadora do evento. Mereceria crítica se, assumindo depois de Pitta, tivesse cancelado ou não dado apoio ao evento, algo que efetivamente não fez.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas