sexta-feira, 25 de maio de 2012

DIVERSIDADE TUCANA PRESTA CONTAS DE SUA ATUAÇÃO EM BRASÍLIA


O Diversidade Tucana esteve em peso em Brasília entre os dias 15 e 16 de maio de 2012, para a III Marcha contra a Homofobia. Também participou do seminário da PLC122 no Senado Federal e do 9º Seminário Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais na Câmara Federal.

Durante a III Marcha, o Diversidade Tucana foi destaque com delegação de 4 estados (Pará, São Paulo, Goiás e Mato Grosso), com cerca de 100 integrantes. Quem discursou representando na manifestação, representando o Secretariado LGBT do PSDB foi a pré-candidata a vereadora de Belém e presidente do DT local, Bruna Lorrane. O deputado walter Feldman (SP) também visitou a Marcha. O site do PSDB-GO também deu destaque a participação da delegação goiana na Marcha: http://www.psdb-go.org.br/psdb2/noticia/306/diversidade-tucana-marcha-homofobia

O Diversidade Tucana também manteve intenso contato contato com a bancada do PSDB, encaminhando a carta abaixo. Foram visitados pessoalmente 5 senadores (Aloysio Nunes/SP, Flexa Ribeiro/PA, Mario Couto/PA, Alvaro Dias/PR e Lucia Vania/GO) e 5 deputados (Ricardo Tripoli/SP, Walter Feldman/SP, Bruno Araujo/PE, Zenaldo Coutinho/PA, Sérgio Guerra/PE) para pedir apoios aos pleitos da comunidade LGBT. Também nos encontramos com o deputados Jean Wyllys pra tratar de ações suprapartidárias, como a PEC do Casamento Igualitário, do qual divulgamos carta de apoio e encaminhamos emails a todos os parlamentares do PSDB, conforme combinado.
O senador Aloysio Nunes (SP) disse em encontro com integrantes do DT que “precisamos de ações rigorosas, tanto governamentais, como legislativas, para combater estas pessoas odiosas que praticam a violência motivada pelo preconceito” e também se comprometeu a "estudar a legislação em andamento no senado para verificar em que podemos ajudá-los". Ele também publicou a visita em seu site http://www.aloysionunes.com/imprensa/pela-diversidade-sexual/.

O líder da bancada do PSDB na Câmara, Bruno Araujo (PE) foi extremamente receptivo ao Diversidade Tucana e disse que o PSDB precisa se posicionar em prol de temas mais jovens e progressistas como os da diversidade sexual. Se comprometeu pessoalmente com o deputado Jean Wyllis (PSOL/RJ) que é o coordenador da Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT a incluir deputados do PSDB na frente e a colocar em pauta no colegiado de líderes, projetos de interesse da população LGBT.

Já o presidente nacional do PSDB, o deputado Sérgio Guerra (PE), se encontrou com o presidente nacional do Diversidade Tucana, Marcos Fernandes, para dizer que em breve fará a resolução de oficialização do secretariado a nível nacional e pediu que o DT estimule a candidaturas de LGBTs a vereador. Também se comprometeu a contatar deputados e senadores a apoiarem e colocarem em votação, projetos de interesse da comunidade LGBT, conforme listagem de projetos que foi deixada em mãos.

Com este tipo de ação, o Diversidade Tucana vem novamente demonstrar sua clara atuação ao trazer as demandas da população LGBT ao partido, esperando que outros núcleos partidários também prestem contas de sua atuação, buscando a união de todos em prol da nossa comunidade.

Veja o documento entregue aos parlamentares tucanos:

APELO À BANCADA FEDERAL DO PSDB
NÃO PODEMOS TRAIR A DEFESA INTRANSIGENTE DOS DIREITOS HUMANOS.
NÃO PODEMOS DISCRIMINAR OS DIREITOS CIVIS DA POPULAÇÃO LGBT.

Prezado parlamentar,

Temos assistido no Brasil recentemente, um retrocesso grave em direitos civis, notadamente no ataque aos direitos da população LGBT. O PSDB não pode se afastar de suas bandeiras progressistas. Dois dos Estados governados por tucanos, Pará e São Paulo, são exemplos de políticas públicas pró-LGBT. Possuem uma ampla rede de proteção que incluem leis anti-discriminação, coordenadorias específicas, políticas de saúde integral e apoio a união civil homoafetiva.

O apoio às demandas da comunidade LGBT, como a PLC122, PEC do casamento civil igualitário, direito à pensões do INSS, por exemplo, nada mais são do que direitos básicos que são negados a essa importante parcela da população.
Lembramos que a PLC122 não pune somente a homofobia, mas também equipara como crime de racismo o preconceito contra idosos, origem, deficientes, mulheres, religião... Ser contra a PLC122 é ser contra um Brasil justo para todos os brasileitos. Diferentemente dos que tentam estigmatizá-la, a PLC122 não atinge a liberdade religiosa, tão somente o discurso de ódio.

Hoje o Brasil é o país que mais mata homossexuais, 266 foram assassinados em 2011. Lembramos que as estatísticas não incluem os crimes comuns, tão somente os com motivação homofóbicas.

Todo o mundo ocidental vem incluindo leis favoráveis a população LGBT com amplo apoio popular.
Na Argentina, a presidente Cristina Kirchner criou leis que beneficiam a população LGBT, como o "casamento gay", e foi reeleita com ampla votação.

No Chile, bastou um grave crime contra um jovem homossexual para congresso aprovar uma lei que criminaliza a homofobia.

Nos Estados Unidos, bastou o presidente Barack Obama apoiar o casamento "gay" que o número de americanos que aprova esse direito civil subiu pra 62%.

Na França, foi eleito o presidente que era favorável ao casamento "gay", o socialista François Hollande.

No Brasil, a presidente Dilma Roussef ao vetar o kit anti-homofobia, vetar a campanha de prevenção a AIDS com homossexuais, não mobilizar sua bancada em prol da PLC122, ter cortado todas as verbas de políticas públicas LGBT, está na contramão de todos os governantes do mundo ocidental. E tem sido criticada por toda a sociedade civil organizada. O Brasil é signatário do tratado sobre orientação sexual e identidade de gênero da ONU e a presidente não tem cumprido esse tratado.

Por isso conclamamos ao que o nobre parlamentar, o apoio às leis de apoio a população LGBT contidas neste documento, bem como que rejeite as que atentem contra os direitos humanos e civis.

Saudações tucanas,
Diversidade Tucana - Secretariado LGBT do PSDB

Nenhum comentário:

Postar um comentário