Julgamento no STF sobre uniões homoafetivas movimenta as Redes Sociais

A bandeira do arco-íris foi fincada nas redes sociais na tarde desta quarta-feira (4). Provocados pelo julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), que vai decidir se casais gays têm os mesmos direitos das uniões heterossexuais, militantes e simpatizantes da causa levaram a hashtag #uniaohomoafetiva ao topo dos Trending Topics brasileiros, a lista de assuntos mais comentados do Twitter. Termos como "Ayres Brito", que deu o primeiro voto favorável às uniões gays, e "STF" figuravam, inclusive, entre as palavras mais usadas em posts no microblog em todo o planeta. O julgamento será retomado nesta quinta-feira (5) e os twitteiros prometem mais mobilização.

"Espero que amanhã seja um grande dia para toda a comunidade LGBT do Brasil. Parabéns pelo discurso, Ministro Ayres Britto", escreveu @MarcosFreitas81.
A alçada do marcador #uniaohomoafetiva ao posto de mais comentado do Twitter também contou com contribuições de internautas contrários à união gay. Em menor escala, eles debocharam da militância e exortaram os demais ministros do STF a vetarem a equiparação de direitos. Não houve, no entanto, conflitos entre internautas favoráveis e contrários à causa.

"Uma coisa é você tolerar, e a outra é você propagar! contra a #uniaohomoafetiva", postou Rox_Hard.

No Facebook, os internautas se mostraram favoráveis ao reconhecimento de direitos dos casais homossexuais. Uma enquete publicada pela página do GLOBO na rede criada por Mark Zuckerberg mostrou que 78% torciam para que os ministros do STF equiparassem a união gay à dos heterossexuais; 18% se declararam contrários e 4% disseram não saber. Mais de 1.700 internautas tinham participado da pesquisa até o início da noite desta quarta-feira.

"Brasil saindo da Idade Média!", comemorou Otávio Melo, que votou a favor dos gays.

"Entidade familiar com duas pessoas do mesmo sexo? Isto não se chama família, é junção!", postou Douglas Marchel dos Santos, contrário às uniões.

Comentários

Postagens mais visitadas