terça-feira, 6 de julho de 2010

PSDB vai Apresentar Carta com Propostas na Àrea Social

Uma carta na qual o PSDB e seus aliados vão assumir compromissos na área da assistência social será apresentada hoje (6), em Curitiba, disse hoje o candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, durante a 42ª Feira Internacional de Moda em Calçados e Acessórios (Francal), em São Paulo. Serra não detalhou os compromissos, mas descartou qualquer semelhança com a Carta aos Brasileiros, assinada pelo PT nas eleições presidenciais de Luiz Inácio Lula da Silva.

'É uma grande mobilização na área da assistência social no Brasil. Porque uma coisa é a gente fazer programas sociais para a frente, para melhorar a saúde e a educação, e outra é o atendimento aos desamparados, às crianças pequenas, às pessoas com deficiência, aos idosos e às pessoas que adquiriram uma deficiência ao longo da vida', disse.

Em entrevista à imprensa antes de visitar a feira, acompanhado pelo candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, Serra mostrou preocupação com o setor calçadista, que vem enfrentando dificuldades com a concorrência externa de países como a China e a Índia. 'É um setor que tem muito futuro no Brasil. Temos que recuperar nosso papel no comércio internacional porque não tem sentido ficar perdendo para a Índia e a China. Podemos abastecer o mundo', afirmou.

Um dos problemas do setor calçadista, segundo Serra, é o alto custo da matéria-prima para os fabricantes nacionais. 'Vamos aumentar a utilização da matéria-prima, do chamado wet blue [que ele definiu como matéria-prima, o couro bruto, pouco elaborado], aqui dentro do Brasil. Isso significa ter uma política econômica voltada para a produção e para o emprego no setor. E também daremos apoio à mão de obra', disse. O apoio viria, de acordo com ele, com a criação de escolas técnicas e faculdades de tecnologia e com os arranjos produtivos, estimulando as empresas a fazerem pesquisas.

Perguntado sobre a previsão de gastos de seu partido com a campanha presidencial deste ano, Serra disse que se trata apenas de uma estimativa de gastos. 'Não pode ser levado ao pé da letra. É difícil prever com exatidão', afirmou. Segundo ele, o partido preferiu fazer uma previsão 'para cima', porque uma estimativa menor de gastos poderia obrigá-lo a uma revisão, que é sempre mais penosa'.

O candidato do PSDB também ressaltou a experiência eleitoral de Indio da Costa e propôs um debate que envolva os vices dos demais partidos. 'Acho que seria útil ter debate entre candidatos a presidente e entre os vices'.

Um comentário:

  1. Marcos, por favor, me manda o endereço e o horário da reunião, amanhã? Quero muito ir, mas não me lembro onde é...
    Beijos,
    Ricardo Aguieiras
    asguieiras2002@yahoo.com.br

    ResponderExcluir