quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Mario Covas Neto - Zuzinha (45000), assina compromisso com a Diversidade

Mais um candidato do PSDB em São Paulo assinou o compromisso com a Diversidade Tucana,
desta vez foi o candidato a vereador, Mario Covas Neto - 45000, mais conhecido pela militância como Zuzinha.

Mario Covas Neto é Presidente do diretório paulistano do partido,  filho do saudoso governador Mario Covas Júnior e de Florinda Gomes, é também membro da oposição e sua atuação na Câmara Municipal é guiada unicamente pelos interesses da população.

O compromisso assinado por Zuzinha, deixa evidente que durante a campanha e também em eventual mandato o vereador deverá respeitar a comunidade LGBT e lutará contra a homofobia.


Esse compromisso é mais um importante passo para o PSDB se posicionar contra qualquer tipo de preconceito e avançar na luta contra a LGBT-fobia.

Acesse o site do candidato e conheça mais sobre suas propostas: http://www.mariocovasneto.com.br/ 

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Rodrigo Fiori (45145), candidato a vereador assina Compromisso com a Diversidade

Mais um candidato a vereador na cidade de São Paulo assina o Compromisso com a Diversidade.
O Compromisso com a Diversidade é um documento que deixa claro que o candidato durante a campanha e se for eleito defenderá os direitos da comunidade LGBT e lutará contra  a LGBTfobia.

O candidato Rodrigo Fiori é sangue novo na política, luta por mais oportunidades para a população na região de Pirituba e Parque São Domingos e também é defensor dos animais. 







Para Rodrigo Fiori, a Democracia só estará consolidada quando todos tiverem os mesmos direitos e é por isso que ele luta e nisto que acredita.

Curta a página do Fiori no facebook, lá você encontrará ideias, propostas e poderá perguntar que o próprio candidato te responde por lá:  https://www.facebook.com/rodrigofioricandidato 

Raul Saovesso (45601) é o candidato da Diversidade em Batayporã-MS

A candidatura de Raul - Vice Presidente Estadual da Diversidade Tucana em Mato Grosso do Sul representa o crescimento da capilaridade do secretariado. Queremos crescer mais e não só nas capitais. Sabemos da importância da luta pelos direitos LGBT em todas as regiões do Brasil.

Além de atuar na Diversidade Tucana, Raul Saovesso é também presidente da Associação de Moradores de Vila Benedito Schaefer.

As principais lutas de Raul são: Luta pelos direitos LGBT, moradia e desburocratização da gestão pública.


Curtam o Raul Sãovesso no facebook e acompanhem suas propostas por uma Batayporã mais justa e inclusiva. 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Adriana Ramalho assina compromisso com a Diversidade

Candidata a vereadora em São Paulo, Adriana Ramalho, assinou ontem, 19/09, compromisso com a Diversidade Tucana, onde deixa claro que irá atuar em favor da promoção da cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) e do combate à LGBTfobia.


A Adriana Ramalho foi a primeira candidata a vereadora tucana da capital paulistana a assinar o compromisso com a comunidade LGBT nessas eleições. Adriana recebe todo apoio da Diversidade Tucana de São Paulo e tem tudo para fazer um ótimo trabalho na Câmara Municipal,  lembrando sempre das mulheres e da comunidade LGBT. Conheça um pouco mais sobre a Adriana Ramalho:

Adriana Ramalho nasceu em São Paulo, fruto de uma mistura pra lá de interessante... Juntou a honestidade e a determinação do pai paraibano, criado na lavoura, com a alegria e a bondade da mãe baiana. Adriana cresceu nos bairros de São Miguel Paulista e Campo Limpo, sempre estudando em escolas públicas da região.

Desde pequena demonstrou o dom de ajudar o próximo, engajando-se em ações sociais envolvendo arrecadação de roupas e alimentos, tanto na escola quanto na igreja que frequentava.

Aos 18 anos, já formada em ballet clássico, conseguiu combinar a leveza da dança com a força e determinação de querer transformar vidas... E foi assim, ensinando voluntariamente crianças e jovens a dançarem que recontou histórias vitoriosas.

Esse encontro de leveza e força, tão raro, sempre a permitiu conciliar o humanismo com a capacidade de lutar por uma sociedade melhor. Na verdade a sua formação profissional, não seria surpresa para ninguém...  Formou-se em Direito com especialização em Direito Sindical.

Atuou entre 2005 e 2015 no Sinthoresp (Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis e 
Restaurantes) prestando assessoria jurídica e minimizando os conflitos entre empregados e empregadores.

Paralelamente, Adriana Ramalho teve passagens importantes por organizações que
profissionalizam e capacitam mulheres para atuação na construção civil, como por
exemplo, o Instituto Construa no projeto Mulheres que Constroem.

Outra relevante organização que conta com Adriana Ramalho é o Instituto Akhanda, que desenvolve atividades direcionadas ao bem-estar dos idosos. Seu principal objetivo é continuar expandindo o projeto através de parcerias com a iniciativa pública ou privada. "A população está vivendo cada vez mais – e cuidar da terceira idade é 
fundamental" afirma Adriana.

O tema "Direito da Mulher" é especial para Adriana Ramalho. Ela luta pela igualdade de direitos e deveres e pelo fim dos preconceitos. Sua forte relação com esta causa trouxe o convite para ingressar no PSDB Mulher em 2015, já na posição de 
Presidente de Honra da Capital Paulista. 

É lá que Adriana Ramalho mantém um amplo diálogo com diversos setores da sociedade pela valorização da mulher, pelo apoio aos que mais precisam e por ações de inclusão e integração para todos. 


Adriana Ramalho, uma mulher de fibra que luta lado a lado com você!

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Pela 1° vez a CBF pode ser multada pela homofobia em estádios

A Fifa investiga a CBF sobre os gritos de “bicha” na Arena Manaus durante eliminatórias da Copa 2018.

Arena Amazônica - Divulgação
Arena Amazônia - Divulgação


A homofobia está presente em muitos segmentos da sociedade e lamentavelmente também está presente no esporte. Mas parece que algo na Fifa está mudando para melhor no sentido de punir comportamentos homofóbicos.

Em um recente episódio na Arena Amazônica em 06 de setembro, durante partida entre Brasil e Colômbia , segundo observadores da FIFA que estavam presentes no local a torcida brasileira gritou “bicha” no momento que o goleiro adversário David Ospina cobrava os tiros de meta.
Já foram multados pela Fifa por comportamento homofóbico: Argentina, Chile, Peru e Uruguai. O México, na Concacaf (confederação das Américas do Norte e Central), também já foi punido por essa razão. As multas variaram entre R$ 20 mil (Peru e Chile) a R$ 75 mil (Argentina e México).
Por outro lado, na contramão do retrocesso, o time de futebol St. Pauli, de Hamburgo considerado um clube diferente, libertário e revolucionário, tem se mostrado muito aberto a diversidade e contra qualquer tipo de preconceito. O time colocou no estatuto ser um time antinazista, antirracista e anti-homofóbico. Mas, para conseguir se posicionar e manter a posição de um time que não tem preconceitos, o St. Pauli precisou expulsar da torcida as pessoas de extrema-direita que promoviam as ações de discriminação.

Torcida do clube alemão St. Pauli
Torcida do St Pauli - Divulgação


É de conhecimento de todos que dentro dos estádios existem comportamentos homofóbicos principalmente por parte da torcida, esse triste cenário, por incrível que pareça não é novidade para ninguém. Sabemos que só multar não resolverá o problema, mas já é um começo.  Como falou à Folha de São Paulo o professor da USP, Flavio de Campos: "Oferecer a punição diretamente, sem um histórico de medidas, é hipócrita. No campo do futebol, o ideal seria uma campanha mundial contra a homofobia. Uma campanha educativa mais profunda, mostrando que se trata de uma violação de um direito básico do ser humano. Dar um toque no colega ao lado, fazê-lo entender as consequências da discriminação. Fazer faixas como aquelas contra o racismo. Apenas punir é inócuo, mas pelo menos tira as pessoas da zona de conforto, mobiliza o debate".

Fica o recado aos clubes brasileiros, busquem inspiração no St. Pauli, se reinventem, busquem novos caminhos para unir as pessoas, jamais para segregar ou oprimir.



quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Consulta Pública: Criminalização da Homofobia equiparada ao crime de Racismo

O Senado Federal abriu consulta pública sobre o projeto que foi encaminhado para criminalizar a LGBTfobia no Brasil, equiparando ao crime de racismo.



Esse é mais um importante passo na luta pela igualdade de direitos! Não queremos nem mais, nem menos, queremos respeito e dignidade para a comunidade LGBT brasileira

Não podemos ficar calados enquanto muitos LGBTs morrem vítimas de crimes de ódio e os assassinos continuam impunes.

A nossa participação é muito importante, juntos, somos mais fortes! Acesse a página do Senado e clique em a favor é muito fácil.

http://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=125495




domingo, 11 de setembro de 2016

Conheça o Denilson Costa - Militante pelos direitos LGBT e candidato a vereador em Barueri

Ele é militante LGBT, candidato a vereador em Barueri e o que mais motivou Denilson Costa a entrar para o PSDB foi o estatuto do partido que deixa claro seu papel referente às lutas históricas e por ser pioneiro na efetivação de políticas para os LGBT.



No último domingo, tivemos a oportunidade de bater um papo com o Denilson Costa sobre sua candidatura e descobrir um pouco mais sobre sua história de vida e militância! Compartilhamos aqui com vocês o resultado e se você vota em Barueri, agora você tem um candidato a vereador!

Diversidade Tucana: Por que ser candidato a vereador pelo PSDB? Qual a sua ligação com o partido?

Denilson Costa: Tenho muitos amigos no partido, mas nesses anos todos de militância foi o único [partido] que me abriu as portas e me deu essa oportunidade. Porém, o que mais me motivou a entrar para o PSDB foi o estatuto do partido que deixa claro seu papel referente às lutas históricas e por ser pioneiro na efetivação de políticas para os LGBT. Aproximei-me do PSDB, através da Diversidade Tucana em 2011, com a realização da primeira Conferência Livre LGBT da Região Oeste da Grande São Paulo, desde então acompanho o trabalho da Coordenação e Conselho LGBT do Governo do Estado de São Paulo.

Diversidade Tucana: Como é ser gay no PSDB? Existe alguma resistência do partido?

Denilson Costa: Nunca tive nenhum problema com ninguém sobre a minha orientação sexual, mas sabemos que ainda existem algumas pessoas dentro do partido que ainda não entenderam seu estatuto e seu papel na política e vida pública. Não podemos negar esse fato. Para tanto, nossa resistência se dá através da Diversidade Tucana que pauta a questão e cobra sempre que se faz necessário. 


Diversidade Tucana: Quais são as suas prioridades para a cidade de Barueri quando for eleito vereador?

Denilson Costa: Hoje, Barueri precisa de um choque de gestão na saúde e, se eleito, quero contribuir com o Executivo para que a cidade volte a ter um serviço de qualidade. Existem várias outras demandas a serem implantadas de imediato, porém a saúde precisa ser prioridade, afinal um cidadão doente não consegue usufruir dos demais serviços.  

Diversidade Tucana: Sobre a comunidade LGBT, quais são as suas propostas?

Denilson Costa: Espero poder lutar pela estruturação necessária e adequada da Coordenadoria da Diversidade Sexual; apresentar projeto de lei para uso no nome social das travestis, mulheres transexuais e homens trans nos órgãos públicos e autarquias do município; fomentar campanhas de combate a LGBTfobia para servidores e população; fomentar a formação e capacitação de servidores públicos; estimular a criação da Semana da Diversidade; fomentar programa de empregabilidade e elevação da escolaridade da população LGBT, com foco nas travestis, mulheres transexuais e homens trans em parceria com os governos Estadual, Federal, indústrias e comércio local; fomentar a criação do Plano Municipal Intersecretarial e Transversal de Atenção à Diversidade Sexual e Combate a LGBTfobia; apresentar projeto de lei complementar para incluir a igualdade de gênero, combate a LGBTfobia no PME - Plano Municipal de Educação; fomentar a organização de grupos de apoio às LGBT com deficiência e em situação de rua; fomentar a Semana das Identidades e Diversidades LGBT juntamente com circuitos culturais (artísticos e esportivos) dentro do calendário escolar; estimular a criação de centros de atendimentos descentralizados em direitos humanos para o acolhimento primário de vitimas de LGBTfobia, usando como base os Centros Comunitários por estarem mais próximos das comunidades; estimular a criação de espaços do empoderamento de Jovens Negras e Negros LGBT para a luta contra a LGBTfobia e contra o extermínio da juventude negra.

Diversidade Tucana:  Como você vê sua participação na Diversidade Tucana e como você espera que o segmento seja visto dentro e fora do partido?

Denilson Costa: Costumo dizer que não sou um filiado dentro do partido, mas sim um militante dentro dele e, sendo assim, costumo cobrar muito e participar das ações. Quero que o segmento seja visto como vemos todas e todos com respeito.

Diversidade Tucana: Conte um pouco pra gente sobre a sua história na política e o que te leva a ser o melhor vereador para a comunidade LGBT de Barueri?

Denilson Costa: Não diria “ser o melhor”, mas poder estar entre eles. 
Como a grande maioria do povo brasileiro, sou fruto da miscigenação, tive uma educação rígida baseada em valores humanos, minha mãe foi uma mulher aguerrida e sempre me ensinou a ser honesto e lutar por aquilo que acreditava. Não foi fácil, pois sempre procurei vencer a mim mesmo e superar nossos medos é uma tarefa árdua.
Em Barueri criei minhas raízes, na Vila Boa Vista fiz amigos, frequentei a escola, logo muito jovem me empenhei nos trabalhos sociais locais, na extinta SOABEM, que no Bairro do Engenho Novo atendia crianças, adolescentes e jovens adultos na garantia de direitos. Acredito que só através da educação, respeito, uma base familiar sólida, políticas públicas efetivas e ações que respeitem os direitos e as liberdades de cada um de nós caminharemos para um país mais justo e solidário. Nessa trajetória e junto aos movimentos sociais vi muitos jovens e famílias inteiras voltarem a sonhar. As pessoas precisam de oportunidades e serviços públicos de qualidade, como saúde, segurança, entre outros. 
Anos depois comecei com amigos e militantes a lutar pelas causas sociais LGBT, Igualdade Racial, Juventude e Direitos das Mulheres. Tenho a certeza que devemos garantir a igualdade, a pluralidade e o respeito aos grupos “minoritários” não em números, mas em direitos. Em 2012, por indicação popular local e do Estado de São Paulo assumi a Coordenadoria da Diversidade na Prefeitura de Barueri, a qual fiquei a frente durante três anos, e os poucos avanços foram com muita luta. 
Acredito nas pessoas, em oportunidades justas, na participação política e espero poder contribuir pela minha Barueri com ética e dedicação. Responsabilidade e respeito serão as novas ordens sociais do futuro